Marília Mendonça, acusada de transfobia, se retrata: ‘Errei e preciso melhorar’

Ouvir Áudio

Marília Mendonça foi acusada de debochar ao comentar sobre ficada de um amigo em famosa boate LGBTQI+, localizada em Goiânia. ‘Disse que lá foi o lugar que ele beijou a mulher mais bonita da vida’, comentou a cantora em live. Na web, internautas apontaram transfobia e ela se pronunciou publicamente. Confira!
Marília Mendonça foi acusada de transfobia nas redes sociais. Em vídeo viral no Twitter, a sertaneja aparece comentando sobre uma ficada de um integrante de sua banda com outra pessoa na Disel Club, extinta balada voltada para o público LGBTQI+, localizada em Goiás. “Quem é de Goiânia lembra da boate. Não vou falar quem é e nem o por que, vou ficar calada. Disse que lá foi o lugar que ele beijou a mulher mais bonita da vida dele. É só isso, gente. O contexto vocês não vão saber”, disse em live, com um grupo rindo ao fundo. Na web, internautas apontaram deboche e preconceito na fala da artista, que passou o Dia dos Pais acompanhada do ex-namorado, o compositor Murilo Huff.

MARÍLIA MENDONÇA SE DESCULPA APÓS ACUSAÇÃO DE TRANSFOBIA
As críticas e acusações de atitudes discriminatórias chegaram rapidamente ao conhecimento de Marília Mendonça. Em seu perfil, a cantora se retratou publicamente, na manhã desta segunda-feira (10). “Pessoal, aceito que fui errada e que preciso melhorar. Mil perdões. De todo o coração. Aprenderei com meus erros. Não me justificarei”, limitou-se, completando cinco anos de carreira no dia da polêmica.

MISS RJ FALA SOBRE LUTA CONTRA A TRANSFOBIA NA INTERNET

Ao Purepeople, Nathálie Oliveira, primeira mulher trans a concorrer no concurso do Miss RJ, disse que não é preciso se identificar como uma pessoa trans para entrar na luta contra o preconceito e explicou como é importante não instigar a comunicação violenta na web. “Na internet, não incentive o ódio, o preconceito e o desrespeito as pessoas trans. Evite dar ibope, seja compartilhando, comentando ou curtindo posts transfóbicos”, aconselhou, incentivando aos pais uma criação livre do preconceito: “É importante ensinar desde cedo as crianças a respeitar as pessoas e suas características particulares”.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *