Governo autoriza repasse de R$ 325 bilhões do BC para o Tesouro Nacional

Ouvir Áudio

Foto: reprodução

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou hoje a transferência de E$ 325 bilhões ao Tesouro Nacional do resultado cambial do Banco Central no primeiro semestre, deixando a porta aberta para incremento deste valor caso avalie necessário.

“Houve a decisão do CMN para a transferência imediata de R$ 325 bilhões dessas reservas para o pagamento da Dívida Pública Mobiliária Interna. Caso haja necessidade, o CMN avaliará, ainda neste exercício, a ampliação deste valor”, disse o Ministério da Economia em nota.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse publicamente ser a favor de alguma transferência, mas que era preciso prudência para que a operação não ficasse caracterizada como financiamento e, adicionalmente, que um colchão fosse preservado para a autoridade monetária fazer frente a eventuais oscilações cambiais à frente.

Na lei sobre as relações entre Tesouro e BC, de 2019, há uma brecha para esse repasse — desde que seja usado para pagamento de dívida.

A legislação estabelece que os ganhos cambiais devem em geral permanecer em uma reserva do BC para cobrir perdas futuras com a flutuação cambial, mas prevê a possibilidade de repasses pontuais ao Tesouro em caso de “severas restrições nas condições de liquidez” afetarem o refinanciamento da dívida pública.

A lei também prevê o repasse de títulos ao BC pelo Tesouro quando o patrimônio líquido do banco estiver próximo do limite mínimo de 1,5% do ativo total.

No primeiro semestre, o BC registrou saldo positivo de R$ 478,5 bilhões com operações cambiais, composto por ganho de R$ 535,8 bilhões com reservas internacionais, diante da alta do dólar frente ao real, e perda de R$ 57,3 bilhões com swaps cambiais.

A maior parte desse ganho, contudo, é contábil, já que as reservas não foram majoritariamente vendidas, mas apenas marcadas a mercado conforme o novo patamar do dólar.

Nesta semana, inclusive, o Ministério Público protocolou uma representação no TCU (Tribunal de Contas da União) demandando que o órgão monitore a eventual operação de transferência de recursos do BC ao Tesouro para evitar o risco de “pedalada fiscal”.

Na representação, o MP argumentou ser grande a probabilidade de a necessidade do socorro não decorrer de problemas de liquidez gerados por “oscilações espontâneas do mercado”, mas sim representar um artifício para financiar expansão das despesas públicas no ano eleitoral.

Em falas públicas nesta semana, Campos Neto pontuou que, com o repasse de parte do resultado cambial ao Tesouro, evita-se que o Tesouro tenha de ir a mercado realizar emissão para pagar o vencimento de títulos.

Por outro lado, ele ressaltou que esse pagamento gera liquidez na economia e, para enxugá-la e manter a Selic na meta, o BC tem de agir via títulos públicos em operações compromissadas. O aumento do estoque de compromissadas tem impacto direto na dívida bruta, que subirá, portanto, com ou sem transferência do resultado cambial do BC ao Tesouro.

UOL

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *