Três ossadas encontradas num matagal podem ser dos adolescentes desaparecidos no mês passado em Mossoró

Ouvir Áudio

A policia militar foi acionada na manhã de terça-feira, 03 de novembro para checar a informação da existência da ossada de uma pessoa no meio de uma estrada carroçável, no final da estrada da Raiz, já na zona rural de Mossoró.

O corpo, parcialmente desintegrado foi localizado no meio da estrada, como se tivesse sido arrastado até o local. O fato chamou a atenção da equipe de plantão do Itep, que entrou no matagal e a cerca de 50 metros, localizou outros dois corpos no mesmo estado de conservação.

Antes de serem mortas, as vítimas foram amarradas com fios de energia elétrica com as mãos para trás e já com pouca possibilidade de identificação no local.

A equipe de perícia criminal, não sabe se por causa da ação de animais ou por ação dos criminosos, as cabeças das três vítimas, estavam desintegradas do corpo. No local não foi possível identificar com que tipo de instrumento ou arma de fogo as vitimas foram assassinadas.

Segundo registros, quatro elementos roubaram um carro na Serra do Mel e fugiram pra Mossoró. Aqui, eles abandonaram o veículo, tomaram outro de assalto e saíram em direção a cidade de Tibau. No posto da Rodoviaria Federal, na BR 304, quando perceberam que seriam abordados, os elementos fugiram da abordagem. Pouco tempo depois, o carro foi encontrado pelos agentes da PRF, abandonado com um pneu furado.

Os elementos que estavam no carro e fugiram a pé, segundo informações, era todos adolescentes. Um deles teria ligado pra família, aqui em Mossoró e contado essa história. Os outros três, que seriam Diogo de 14 anos de idade, Carlos de 16 e Anderson de 17 anos, não foram mais vistos. Seus familiares chegaram a comunicar o desaparecimento dos três na polícia.

A região onde os corpos foram encontrados, é a mesma onde possivelmente eles desapareceram, mas a identificação oficial, só será possível pela equipe da papiloscopia do Itep em Mossoró ou até mesmo pelo serviço de antropologia, serviço existente apenas na Unidade Regional do Itep, em Natal.

Segundo o perito criminal Marcos Dayan Saraiva, pelas roupas e calçados é possível que a família reconheçam as vitimas. Ainda segundo o perito, os corpos apresentam elementos possíveis de identificação em Mossoró, mas só a equipe de papiloscopia pode dizer se é possível ou não.

Fonte o câmera

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *