Com voos de Portugal suspensos, brasileiros passam a noite no aeroporto de Lisboa para pressionar pela volta

Ouvir Áudio

Os três filhos de Aline Reis, que não consegue trocar sua passagem para fazer conexão em outro país, no aeroporto de Lisboa | Foto: Arquivo pessoal

Menos de um ano desde a primeira onda da Covid-19, seis pessoas de duas famílias de imigrantes brasileiros voltaram a dormir no chão do aeroporto de Lisboa, como havia acontecido em abril e maio de 2020. Eles estão entre um grupo de aproximadamente 360 pessoas, reunidas em um grupo de WhatsApp, que têm passagens de volta ao Brasil compradas e pressionam o governo brasileiro para o fretamento de voos de repatriamento durante a proibição de viagens comerciais entre os dois países, que vigora desde 29 de janeiro e acaba de ser prorrogada até 1º de março.

A maior parte diz não ter condições de se manter em Portugal ou arcar com os custos extras de incluir uma conexão até o destino, alternativa para deixar o país recomendada pelo Consulado Geral do Brasil em Lisboa. As viagens foram suspensas devido ao agravamento da pandemia em Portugal depois das festas de Natal e ao temor da chegada de novas variantes do coronavírus encontradas no Brasil.

As camas improvisadas entre as bagagens e sacolas plásticas não impediram que os três filhos de Aline Kelle Rodrigues Reis — de 3,11 e 13 anos — dormissem, mas a mãe reclamou do chão duro. Acordou com o corpo dolorido, mas, segundo ela, o que dói mais é o descaso.

— Descaso, sim, porque enviei diversas mensagens para órgãos do governo e para a companhia aérea, que não quis mudar minha passagem marcada para esta quarta-feira de Lisboa-São Paulo para Lisboa-Madri-São Paulo. A justificativa, em plena pandemia, é que tinha comprado as passagens com milhas — disse Reis, que dividiu a primeira noite com os filhos e uma outra família de duas pessoas.

Por não haver previsão de voos de repatriamento ou indicação de que as companhias revejam a política de troca de passagens neste momento, cresce no grupo de WhatsApp “Volta à nossa pátria” a mobilização para uma pressão direta no aeroporto. Embarcar para o Brasil em voos com conexões em outros países é permitido, e quem pôde arcar com os custos extras, ou já tinha essa rota programada na passagem original, conseguiu deixar Portugal.

Não é o caso de Reis, que acabou retirada pela polícia do aeroporto no meio da manhã desta terça-feira. Ela entregou o apartamento em Figueira da Foz, nos arredores de Coimbra, porque já havia comprado a passagem, e agora diz não tem onde morar.

— Tenho necessidade de voltar ao Brasil porque as aulas dos meus filhos recomeçaram no dia 8. Tenho casa e trabalho me esperando no Brasil e aqui não tenho mais nada — declarou Reis.

Mineira de Uberlândia, Reis chegou em Portugal há um ano e trabalhava como babá. A pandemia acabou com o emprego e ela precisou que enviassem dinheiro do Brasil para sobreviver. Poupou apenas os €200 para os testes obrigatórios de Covid-19 dela e do filho mais velho, além de um pouco mais de dinheiro para alimentação.

A situação de Reis expõe o drama econômico de trabalhadores brasileiros em Portugal, que, depois de perderem o emprego na pandemia, estão sem dinheiro e sem casa. A dificuldade de retorno é apenas a parte mais visível de um problema que atinge aqueles sem reserva financeira ou negócio próprio.

Entre os estrangeiros, os brasileiros lideram a fila dos desempregados no Algarve, por exemplo, região de turismo e gastronomia e que teve em dezembro de 2020 o maior aumento total do desemprego em relação a 2019 [+60,8%]. Dos 8.700 imigrantes desempregados inscritos no centro de emprego da região, 3.100 são brasileiros.

É o caso de Gabriela Santos, que vive em Olhão, no Algarve, na casa de amigos, após se separar do marido. Após dois anos de trabalho em um restaurante com o cônjuge, perdeu o emprego e pediu ao programa da ONU de retorno voluntário para pagar a passagem para o Brasil. Diz não ter dinheiro para comida dela e do filho e só espera a retomada dos voos para tentar ir embora:

— Quem me acolheu e está me ajudando são os amigos que fiz aqui, porque nem emprego consigo arrumar com tudo fechado.

Juci Santos, que mora em Odivelas, nos arredores de Lisboa, perdeu o emprego de operadora de caixa ainda na primeira onda da pandemia, mas permaneceu em Portugal, sustentada pelo marido que ficou no Recife, para que a filha concluísse um curso de inglês. Comprou passagem de volta para 29 de janeiro, primeiro dia da suspensão das viagens, e agora não pode voltar ao Brasil.

— Tirei minha filha em janeiro da escola pensando que iria viajar no dia 29. Fizemos o teste da Covid-19 no dia 27 para quê? Não temos dinheiro para comprar rotas alternativas. Minha filha é doente crônica e precisa de acompanhamento médico. Minha mãe está com câncer, vai fazer cirurgia, está precisando de mim e estou longe do meu marido há seis meses. Será que tudo isso não é motivo de um voo humanitário? — desabafou Santos.

Os voos humanitários estão previstos no decreto de estado de emergência do governo de Portugal, mas o Itamaraty não indicou até o momento nenhuma decolagem de Lisboa. A brasileira Marcella Gasperini organizou o grupo no WhatsApp, que conseguiu reunir as 360 pessoas com passagens e enviar as histórias aos órgãos responsáveis.

Ela buscou apoio da Associação Brasileira de Portugal, que irá enviar ofício nesta terça-feira ao Comando Militar do Sudeste para pressionar pelo repatriamento. O Brasil fretou seis voos em 2020 e tirou mais de 8 mil pessoas do país, segundo o governo. O Itamaraty garante acompanhar a situação e diz que tem procurado dar assistência.

— Ontem mandamos mais de 300 e-mails para o Itamaraty e não obtivemos retorno. As companhias aéreas, por sua vez, dizem que a única orientação é aguardar o novo decreto que sairá em 1º de março — disse Gasperini.

O Globo

CommentsCOMENTE AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *