Homem faz cirurgia após espinha inflamada evoluir para rinofima grave

Ouvir Áudio

Um ex-metalúrgico do Texas, nos Estados Unidos, recorreu a um programa de televisão norte-americano para tentar remover duas protuberâncias em seu nariz, causadas por rinofima, uma doença progressiva que causa inflamação crônica dos tecidos.
Roger, de 60 anos, contou à doutora Sandra Lee, do programa Dr. Pimple Popper, do canal TLC, que o problema começou como uma pequena espinha mas, ao longo dos últimos 11 anos, cresceu descontroladamente, ao ponto de cobrir parte de seu rosto.

Além de dificultar a respiração, a anomalia prejudicava o convívio social do homem e atraía moscas para o pus secretado pelos pequenos orifícios da pele.

“Não consigo respirar pelo nariz por causa do peso”, disse. “Eu tenho que mexer meu nariz porque não consigo comer direito. Faz um tempo que não trabalho porque todo mundo fica com medo de mim. Todo mundo ri de mim”, contou o ex-metalúrgico.

A rinofima é caracterizada pela alteração da cor, textura e da vascularização dos tecidos do nariz, e pela presença de massas ou caroços no nariz, que crescem lentamente. Quando ficam muito grandes, assim como no caso de Roger, podem causar obstrução nasal.

A condição é comum em homens com mais de 40 anos e, normalmente, é uma consequência da hiperplasia das glândulas sebáceas, uma das características da rosácea.

Operação

A médica ficou surpresa com o caso. “Quando vi o nariz de Roger pela primeira vez, pensei, ‘minha nossa!’. Eu não conseguia acreditar que ele tinha esse nível de rinofima”, disse em seu programa. Sandra Lee afirmou que o caso é o mais extremo que já viu, com uma “situação bastante crítica”.

O risco da cirurgia, segundo a equipe de Sandra Lee, era muito alto pois poderia causar um sangramento excessivo e levar a uma parada cardíaca, além da possibilidade de remoção de parte do nariz de Roger, levando a outra deformidade. Mas o procedimento foi bem sucedido e Roger está recuperado da deformação. “Demorou muito para sarar, mas agora meu nariz está ótimo”, disse.

Fonte: Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *