Especialistas recomendam cuidado redobrado após chegada de variante delta ao RN.

Ouvir Áudio

Duas amostras da variante Delta do coronavírus foram identificadas no Rio Grande do Norte após um sequenciamento genético feito pelo Instituto de Medicina Tropical (IMT). São os primeiros casos da mutação da Covid-19 registrados no Estado, que até então só havia documentado casos positivos da variante Gamma. No Nordeste, o RN se junta a Pernambuco, Ceará, Maranhão e Alagoas com casos positivos da variante Delta. Na avaliação de especialistas, os cuidados precisam ser redobrados com a vacinação e medidas simples como uso de máscara e higienização devem ser mantidas.

De acordo com o Instituto de Medicina Tropical, as amostras foram coletadas no dia 08 de agosto. Pacientes infectados já estão bem e não correm riscos

De acordo com a diretora do Instituto de Medicina Tropical, a infectologista Maria Selma Bezerra Jerônimo, as amostras foram coletadas no dia 8 de agosto e o resultado do sequenciamento foi finalizado na semana passada. De acordo com a pesquisadora, os pacientes infectados com a variante Delta não estão hospitalizados nem apresentam sintomas graves da doença.

“Elas estão bem, tem uma que já está fora do período de transmissibilidade e a outra está sendo investigada também. Ambas estão em casa e não foram hospitalizadas”, disse a médica, que não soube informar se esses usuários estavam vacinados ou não. Além disso, mesmo com os casos positivos, a especialista explica que é cedo para se cravar se há ou não transmissão comunitária da variante delta no RN.

“Não significa que sejam as últimas duas, vamos tentar analisar amostras de agosto de Mossoró e Apodi. Essas duas Delta são específicas de Natal. Sobre transmissão comunitária, é muito cedo, porque não estudamos o número de pessoas suficientes para identificarmos isso. O que temos é que a nossa taxa de novos casos está baixa, tanto aqui, quanto no Lacem e laboratórios particulares”, explica.

A análise para se chegar aos resultados da variante Delta partiu de um estudo feito pelo pesquisador Francisco Freire Neto, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, que está estudando o comportamento da pandemia de coronavírus no Estado desde o ano passado. Antes, em fevereiro deste ano, o IMT já havia confirmado a circulação das variantes Gamma (P1), que foi inicialmente encontrada em Manaus (AM) e a P2, no Rio de Janeiro.

“Isso faz parte de um projeto de entender a dinâmica evolutiva do vírus baseada em sequenciamento. Temos uma localidade, que é Apodi, que estamos usando como modelo. Temos tudo documentado, fizemos acompanhamento epidemiológico e clínico. Tivemos a ideia de fazer a coleta “, informa o pesquisador. O sequenciamento genético foi feito com colaboração do laboratório Getúlio Sales Diagnósticos.

“A importância de identificarmos a Delta é que podemos ficar mais vigilantes, porque estamos numa fase de poucos casos. Se sabemos que essa variante chegou e ela tem maior transmissibilidade, é o momento de se reforçar os cuidados. Quem estava mais relaxado, que é até natural, precisa tomar cuidado. Em outros países ela foi bem transmissível”, acrescenta a infectologista Eliana Tomaz do Nascimento, vice-diretora do IMT.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde Pública do RN (Sesap/RN), disse que “foi notificada pelo IMT de forma concomitante com a divulgação do fato à sociedade potiguar, tendo iniciado os procedimentos técnicos tão logo recebeu mais informações, porém ainda aguarda os laudos oficiais a respeito do material investigado pelo Instituto” e que “As duas amostras são de mulheres, moradoras da Região Metropolitana de Natal”.

“A situação reforça a necessidade da população manter os cuidados sanitários e buscar a vacinação contra a Covid-19, tanto para a primeira como para a segunda dose, vide que os estudos mostram a eficácia das vacinas disponíveis no enfrentamento da variante Delta”, completa a nota.

A Secretaria de Saúde de Natal foi procurada para repercutir o assunto, mas não se manifestou até o fechamento desta reportagem.

Brasil
O Brasil registra 1.050 casos de variante Delta, de acordo com o último Boletim Epidemiológico 76, referente à Semana Epidemiológica 32 (8 a 14 de agosto de 2021). Conforme o documento, o Rio Grande do Norte não possuía nenhum caso confirmado da variante Delta. Já há registros de casos positivos no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Distrito Federal, Paraná, Santa Catarina, Minas Gerais, Ceará, Pernambuco, Tocantins, Pará, Mato Grosso, Maranhão, Goiás, Espírito Santo e Alagoas.

Da Tribuna do Norte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *