Crianças do sexo feminino são as maiores vítimas de violência sexual no Brasil — Foto: Caroline Oliveira/g1

Há um mês, a polícia, familiares das vítimas e sociedade em geral procuram saber o paradeiro do estudante de medicina, de 22 anos, suspeito de estupro de vulnerável contra duas irmãs e duas primas. O casos aconteceram em Teresina e ganharam repercussão nacional.
O paradeiro do estudante é ]”incerto e não sabido”, segundo a Polícia Civil, que indiciou o rapaz por três crimes de estupro de vulnerável. O mandado de prisão contra ele foi encaminhado a todas as polícias do país.

No dia 7 de outubro, a justiça decretou o mandado de prisão preventiva, depois que as denúncias foram formalizadas no mês de setembro. Pelo menos duas crianças e duas adolescentes, de 3 a 15 anos, revelaram para a mãe e tia os abusos, que ocorriam entre jogos e brincadeiras, principalmente dentro do quarto do estudante, que morava com o pai, a madrasta e as duas irmãs.

MP ainda não ofereceu denúncia à Justiça

No dia 03 de novembro, dois inquéritos policiais concluídos pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) chegaram ao Ministério Público Estadual.

A denúncia ou não do estudante pelos casos ficará a cargo da 47ª Promotoria de Justiça, que tem como titular a promotora Juliana Martins Carneiro Nolêto.

Ao g1, a assessoria do MP só confirmou que ela recebeu os inquéritos e que “serão analisados pelo MP para adoção das medidas pertinentes”.

Terceira caso volta a Teresina

Um terceiro inquérito ainda está em curso pela Polícia Civil e trata dos abusos contra uma das primas, que hoje tem 15 anos. Os casos teriam acontecido durante viagens à praia com a família, no litoral do estado.

A apuração chegou então a ser enviada para o delegacia de Luís Correia, mas como os envolvidos são de Teresina, uma portaria da Delegacia Geral devolveu o inquérito para a DPCA no dia 28 de outubro e este ainda não foi concluído.

“Designei o delegado adjunto da DPCA, Antônio Barbosa, para apurar os fatos. Acredito que depois de ser concluído o inquérito seja enviado à comarca de Luís Correia”, resumiu o delegado geral da Polícia Civil, Luccy Keiko.

Quarto caso sob investigação

Uma quarta jovem também se diz vítima do rapaz e hoje tem 19 anos. Ela não queria denunciar o caso, mas a Polícia Civil abriu um inquérito e os relatos estão sob investigação da delegada Valéria Cunha.

Hoje, o local onde o estudante está é desconhecido. Para o advogado da família das vítimas, Rodrigo Araújo, ele esteve em Teresina, onde constituiu um advogado e recebeu ajuda de familiares para fugir.

“Os parentes estão acobertando ele. Mãe, avós, tios, ajudaram ele na fuga. Ele não está mais em Manaus, veio para Teresina e daqui fugiu de carro para algum lugar, até para outro país com ajuda da família”, afirmou o advogado que acompanha de perto o caso. “

Nosso objetivo é que ele seja enquadrado nos crimes, seja preso e pague pelo que fez”, acrescentou.

Famílias pedem justiça

As famílias das vítimas continuam utilizando as redes sociais para se manifestar contra os abusos e dizer que não vão esquecer, que querem justiça e pedindo ajuda a todos para compartilharem os posts para que ele seja achado.

“Não adianta se esconder, nem fugir! Esquecer n iremos! Vamos viver… crescer, cuidar das meninas… e ela sim a vida começa! Pague o que deve! Pq enquanto isso não acontecer vc não terá vida! Nossa união nos dá força pra seguir em frente! Acabou o rapaz ambicioso… se quer ter futuro… pague e recomece tudo de novo… Qd terminar suas dívidas… Já parei várias vezes me perguntando por que fez isso, mas a respostas mais fácil é que nunca vou entender, pq n penso como vc! Sabe quem está do nosso lado? Deus, e contra ele ninguém pode, nem mesmo os demônios podem a força de Deus. E a ele devo tudo, a vida das minha princesas, a descobrir a tempo de salvar a vida da minha filha o meu maior amor! Deus me dá a força, a vontade de lutar todos os dias… e enquanto existir alguma mulher de pé… Você será procurado, a polícia não vai cansar… pq Deus está com eles, os promotores, os delegados, os juízes, todos são iluminados por Deus pra não deixar monstros como vc trazer a escuridão pra nossas crianças… A força de Deus irá vencer, e todos vamos honrar, a nossa família! Cada pessoa q compartilha, cada pessoa q se indigna com atos como o seu! Cada pessoa q parou pra ler… Você vai cumprir sua pena… e será visto e encontrado… os olhos de Deus tudo vê e vai iluminar os olhos por onde vc passar… avisem as autoridades…”, postou a mãe de uma das meninas vítimas.

O advogado do estudante, Eduardo Faustino, informou que aguarda o oferecimento das denúncias para se pronunciar nos autos do processo.

Do G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui