Deputado Gustavo Gayer é condenado por pedir voto para Bolsonaro em empresa

O deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO) foi condenado a pagar R$ 80 mil por assédio eleitoral durante a campanha presidencial do ano passado. O bolsonarista é acusado de ter ido a empresas do estado para coagir trabalhadores a votarem no ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

A defesa de Gayer afirma que o deputado do PL esteve nos empreendimentos à convite de empresários para explicar o plano de governo dos candidatos e nega pedidos de voto expresso. A condenação, proferida pela 7ª Vara do Trabalho de Goiânia, ocorre após o Ministério Público do Trabalho (MPT) ter aceitado uma denúncia anônima contra o deputado.

De acordo com a procuradora Janilda Guimarães de Lima, Gayer apresentou “conduta acintosa e de total desrespeito ao ordenamento jurídico e pretensão de continuar utilizando-se de organizações comerciais (empresas) para fazer propaganda eleitoral e aliciar votos de seus trabalhadores ,através de assédio moral eleitoral, com apoio de empresários”.

Pelas redes sociais, o bolsonarista chamou a procuradora de “petista histérica” e caracterizou seu parecer como “esdrúxulo”. A procuradora alega que Gayer esteve nos empreendimentos durante o expediente e cometeu ilegalidades.

Em primeira instância, o juiz Celismar Coelho de Figueiredo acatou os argumentos do MPT e determinou a condenação em R$ 80 mil, 10% do valor pedido inicialmente. Na decisão, o magistrado sustentou que assédio eleitoral configura um ato ilícito e defendeu que houve dano moral coletivo.

Related posts

Leave a Comment