Breaking News

Bolsonaro evita responder se aceitará derrota e diz apenas que espera ‘eleições limpas’

O presidente Jair Bolsonaro não respondeu nesta quinta-feira se aceitará o resultado das urnas nas eleições deste ano, caso ele não seja reeleito. Questionado por jornalistas, ele apenas disse que “espera eleições limpas”.

— Democraticamente, eu espero eleições limpas — afirmou.

Bolsonaro deu as declarações na saída da Capela São Pedro Nolasco, na Vila Telebrasília, onde, segundo O GLOBO apurou, gravou a participação na propaganda partidária do PL, seu partido.

O presidente também foi questionado se confia nas urnas, mas disse que isso era “resposta para outro dia”. O presidente tem intensificado os ataques ao sistema eleitoral e tem dado seguidas declarações levantando suspeitas sobre a confiabilidade no sistema. No início do mês, por exemplo, afirmou que o PL contrataria

uma empresa para fazer uma auditoria nas eleições deste ano. Como mostrou a colunista do GLOBO Malu Gaspar, a declaração causou desconforto dentro do partido.

— Estamos fazendo o possível, as Forças Armadas são confiáveis. Não apenas as Forças Armadas, a PF também faz parte do convite para integrar a comissão de transparência eleitoral, o TCU faz parte disso. Temos conversado — afirmou Bolsonaro nesta quinta-feira.

A participação das Forças Armadas na Comissão de Transparência Eleitoral (CTE) tem sido usada por Bolsonaro para levantar suspeitas, sem provas, sobre a segurança das urnas eletrônicas. A insistência no assunto fez com que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Edson Fachin, subisse o tom. Ele afirmou que a Justiça Eleitoral está “aberta a ouvir, mas jamais se curvará a quem quer que seja” e que “quem trata de eleições são forças desarmadas”. O ministro também afirmou que “quem duvida do processo eleitoral é porque não confia na democracia” e que “quem defende ou incita a intervenção militar está praticando ato de afronta à Constituição e à democracia”.

Em segundo lugar nas pesquisas de intenção de votos, o presidente tentará a reeleição, e busca com os ataques ao STF e às urnas mobilizar os seus apoiadores mais fiéis.

Fachin comandará o TSE até agosto, às vésperas das eleições. Em seu lugar, assumirá o Tribunal o ministro Alexandre de Moraes, alvo de críticas e ataques do presidente da República. O ministro conduz inquéritos na Corte que têm entre os alvos o presidente. Nesta quinta-feira, Bolsonaro foi questionado se achava afirmou que o ministro era parcial para assumir a Corte, e respondeu: “Totalmente parcial” .

— Totalmente parcial, não tenho dúvida disso. Os próprios atos dele bem demonstram. Você não vê um ataque meu — disse.

Bolsonaro apresentou uma ação no STF contra o ministro Alexandre de Moraes por abuso de autoridade. O presidente afirmou que o ministro teria realizado “sucessivos ataques à democracia, desrespeito à Constituição e desprezo aos direitos e garantias fundamentais”.

A notícia-crime foi encaminhada ao ministro Luiz Fux, presidente da Suprema Corte, e enumerava cinco justificativas que, na avaliação do presidente, fundamentavam a ação contra o ministro. Entre elas, Bolsonaro citou a “injustificada investigação no inquérito das Fake News, quer pelo seu exagerado prazo, quer pela ausência de fato ilícito”. O inquérito é conduzido por Moraes e Bolsonaro é um dos investigados.

Agora RN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.