Quem acompanha a política norte-americana sabe que a recente eleição presidencial naquele país foi marcada por uma sucessão de fraudes. “Coincidentemente” o auge da pandemia do comunavírus chinês teve o seu ápice justamente no período eleitoral nos Estados Unidos e em muitos Estados foi permitida -vejam só – votação pelo Correio. A equipe de advogados do Presidente Donald Trump revelou toda a sorte de fraudes com destaque para a totalização dos votos por meio do sistema da Smartmatic e Dominion, empresas que forneceram serviços de votação eletrônica e totalização dos sufrágios.

Apesar de tudo isso a própria Suprema Corte dos Estados Unidos não quis entrar em bola dividida quando a campanha de Trump levou aos Juízes da Alta Corte de Justiça a pendenga. Ato contínuo o Senado que tem a maioria republicana e na Presidência o vice-Presidente Mike Pence deu o dito pelo não dito em favor, claro, de Joe Biden.

Ao longo de toda a campanha eleitoral pode-se ver Antifas e Black Lives Matter, para citar os principais grupos de ataque comunista promovendo uma onda de terror e quebra-quebra, incendiando e depredando propriedades particulares, destruindo lojas e todos os tipos de comércio. Enfim. Esses esquerdistas deixaram um rastro de destruição jamais visto em campanhas eleitorais nos Estados Unidos. E o que aconteceu? Nada! Incrível não? Logo na maior potência do Planeta! Ou alguém ouviu alguma reclamação de empresários que tiveram suas instalações comerciais destruídas?

Qualquer análise política sobre este pleito presidencial dos Estados Unidos não pode jamais deixar de lado esses misteriosos acontecimentos e, principalmente, a inação das Forças Armadas. Os comunistas fizeram o que quiseram anulando as ações policiais.

Na próxima quarta-feira, dia 20 deste mês de janeiro está prevista a posse do candidato do esquerdista Partido Democrata, Joe Biden. E o mistério continua. O que se sabe – segundo o noticiário internacional – é que Washington DC, a capital norte-americana está tomada pelas Forças da Guarda Nacional. Fala-se em 25 mil soldados. Tradicionalmente a Guarda Nacional não usa armas de fogo. Desta feita teria sido autorizada a usá-las.

Como os grandes veículos midiáticos norte-americanos em sua esmagadora maioria são alinhados à esquerda, estando todos portanto agindo como cabos eleitorais de Joe Biden, não são fontes noticiosas críveis. Em suma, não há elementos suficientes para tecer quaisquer análises sobre o que está ocorrendo de fato, de verdade, nos Estados Unidos da América.

O que se sabe é que até agora é que a camorra comunista está vencendo todas as paradas como se os Estados Unidos fossem do tamanho de uma republiqueta latino-americana sendo tomada de assalto e com facilidade pelos comunistas. Haja vista que os comunistas invadiram o Capitólio e, sob a inação da polícia, pintaram e bordaram. E também assassinaram inocentes! Algo inaudito e nunca visto na maior potência democrática e bélica do Planeta.

Resumidamente é isto que está acontecendo. E tudo isso combina com os interesses do globalismo, aliás conceito da teoria política não só desprezado pelos jagunços vermelhos da mainstream media, como taxado de teoria conspiratória. Mas a verdade é que até agora o último obstáculo ao totalitarismo global era a liderança do Presidente Donald Trump. A ordem era detoná-lo de qualquer maneira. Infelizmente até agora estão alcançando seus objetivos.

Enfim, daqui a dois dias por certo teremos uma resposta mais objetiva sobre todos esses mistérios

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui