Na Agrovila Pomar, na zona rural de Mossoró, região Oeste do RN, a produção agrícola não para durante todo o ano. Nos dias de colheita, a agricultora Lúcia da Silva vem ao campo retirar as vagens. O feijão irrigado com a água de um pequeno poço garante renda extra para as famílias da comunidade.

Mas o plantio pode aumentar, se vier chuva este ano. “Eu tô esperando ser um bom inverno. Mas Deus é quem sabe. As chuvas foram muito boas, porque estava tudo seco, então foi bom demais. Caiu bastante água nas cisternas”, comemora Lúcia da Silva.

Francileide Lima também já está comemorando a boa surpresa que chegou no mês de dezembro. A chuva antecipada na comunidade trouxe a esperança de um bom inverno em 2022 e já fez a diferença.

“A gente trabalha de irrigação, só que quando começa o período chuvoso a gente vai para a chuva, porque diminui os custos com energia. Isso é bom para o solo, para as plantas em geral, para as árvores, para tudo. A planta fica mais vigorosa, mais bonita. A expectativa é de muita chuva se Deus quiser” diz Francileide.

A expectativa é boa, mas ainda é cedo pra saber se as previsões vão se concretizar. Segundo a meteorologia, as precipitações do mês de dezembro não indicam a chegada do período chuvoso na região, que acontece entre os meses de fevereiro a maio.

Para os agricultores, é tempo de começar a ser organizar e preparar a terra, de olho nas culturas de inverno.

Seu Francisco das Chagas vai plantar milho e sorgo. Ele explica que parte da colheita será para o consumo da família e o restante vai usar na produção de silagem para alimenta os animais. Ele possui um rebanho com mais de 200 animais, entre ovinos e bovinos.

“A gente faz uma irrigação no verão pra se manter e quando chega o período de chuva a gente passa para a cultura de milho, de sorgo. Planto para fazer silagem que nesse período já tá acabando”, explica Francisco das Chagas.

Enquanto o período chuvoso não chega, o agricultor Fábio Baracho admira os pés de milho plantados no roçado, cultivados com a irrigação. São apenas duas fileiras, usadas pelo agricultor pra impedir a passagem do vento para as plantações de feijão. Mas daqui a uns dois meses, o que ele quer ver mesmo são muitas carreiras de milho verde, irrigados com a água da chuva.

“Com a chuva o milho cresce mais, desenvolve. No inverno ninguém pulveriza, então ele cresce mais. Se Deus quiser eu estou esperando muita chuva para a gente, para os animais, que a gente plante muito milho, jerimum, batata, abóbora, mamão…”, afirma o agricultor Fábio Baracho.

G1RN

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui