Mulher grávida morreu após ser atingida por monitor cardíaco de ambulância.

O Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM), em Uberaba, confirmou ao g1 nesta quarta-feira (18) que a jovem grávida Kamily Pricila Fernandes de Oliveira, que morreu após ser atingida na cabeça pelo monitor cardíaco da ambulância que a transportava, chegou à unidade com traum4atismo craniano.

Kamily foi transferida da Santa Casa de Misericórdia de Sacramento para o HC-UFTM no dia 10 de janeiro após um quadro de hipertensão e crises convulsivas. Segundo o Hospital, a paciente foi recebida na unidade naquele dia com “eclâmpsia e traumatismo craniano”.

“Os prontuários dos pacientes não registram circunstâncias pregressas às internações, como detalhes sobre incidentes que possam ter causado ferimentos. Como amplamente noticiado pela imprensa, trata-se de ocorrência envolvendo o transporte providenciado pelo município de origem, não havendo qualquer relação entre o hospital e o acidente”, completa a nota.

Mais cedo, a Secretaria de Saúde de Sacramento, cidade responsável pela ambulância, havia declarado que atribuir a morte da jovem apenas à queda do equipamento era um “equívoco”.

“Até o presente momento, sem análise de exames de imagem e laboratoriais realizados no Hospital de Clínicas da UFTM, não é possível avaliar até que ponto o acidente ocorrido durante o transporte teve influência sobre o desfecho final” , informou a nota assinada pelo médico auditor Marcelo Sivieri, designado pela Prefeitura para acompanhar o processo.

Com a nota do hospital, o g1 procurou a Prefeitura para saber se o Município gostaria de se posicionar novamente. O médico responsável informou que não tinha nada a acrescentar. Veja a nota na íntegra mais abaixo.

Investigação
Também nesta quarta, a Polícia Civil confirmou, em nota, que foi acionada pelo pai da jovem na sexta-feira (13), que registrou a ocorrência em uma delegacia de Uberaba. Esclareceu, ainda, que instaurou inquérito para apurar o caso e solicitou o laudo para apontar a causa da morte de Kamily.

Médico dá versões diferentes sobre a queda do monitor cardíaco
Em entrevista ao g1 na segunda-feira (16), Sivieri disse que o monitor caiu na cabeça de Kamily depois que o motorista precisou fazer uma manobra brusca. “O equipamento é preso com um velcro, que se soltou com a manobra”. Já na nota de esclarecimento enviada nesta quarta (18), o médico atribuiu também à paciente a responsabilidade pela queda do aparelho.

“Em um cenário de agitação motora da paciente, bem como manobras realizadas pela ambulância na saída da cidade de Sacramento, ocorreu desprendimento de um monitor cardíaco de seu suporte, com queda sobre a paciente”.

Na mesma entrevista, no início da semana, Sivieri disse que uma enfermeira havia tentado amortecer a queda do objeto, mas que não tinha conseguido. No entanto, na versão atualizada do posicionamento, o auditor afirmou que a enfermeira conseguiu diminuir o impacto do aparelho sobre Kamily.

“Salienta-se ainda, que uma das técnicas amorteceu sua queda antes do contato com a paciente, que foi avaliada e monitorada pelo médico durante todo o percurso”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *