Connect with us

Policial

Vídeo: Operação prende 4 suspeitos de matarem potiguar em Foz do Iguaçu.

Published

on

A Polícia Civil do Paraná prendeu quatro pessoas suspeitas de participação na morte do empresário potiguar Kauet Henrique Nascimento, de 20 anos. Ele foi encontrado morto dentro de uma casa na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, no dia 7 de agosto.

Nesta sexta-feira (24), uma operação prendeu quatro suspeitos, sendo três homens no Pará e uma mulher em São Paulo. Ao todo, foram cumpridas 20 ordens judiciais, sendo os quatro mandados de prisão, incluindo os mandados de prisão e de busca e apreensão. A ação também foi realizada em Aparecida de Goiânia, em Goiás.

No decorrer das investigações, a Polícia Civil envolveu oito participantes, sendo os três homens presos envolvidos diretamente no assassinato. “O caso está solucionado. Todos os envolvidos foram identificados, em dois núcleos. O núcleo executor, que são os três indivíduos presos, que são David Rodrigues, Gabriel Augusto e Franciel Arnaud, presos em Belém”, explicou o delegado.

O delegado falou ainda sobre duas mulheres que, poucos dias após o crime, tinham sido apontadas como participantes do crime. Segundo Rodrigo Souza, apenas um teve envolvimento. À TV Tropical, no dia 09 de agosto deste ano, ela negou participação . “A gente tem que tomar cuidado com alguns pré-julgamentos. Divulgaram fotos de duas mulheres de Natal. Uma delas, eficaz foi presa hoje, a Andreza. Só que a outra não teve nada a ver”, detalhou.

Nesta sexta-feira, o delegado lembrou que à época havia dito que, naquele momento, não havia impedimentos de participação deles. No entanto, no decorrer do caso, houve a constatação de relação de apenas uma. “No momento, eu não tinha nada contra, mas eu disse: ‘Se aparecer algo, vai haver responsabilização’. Há elementos concretos que a colocação diante do grupo criminoso”, frisou.

Além do grupo que executou, a Polícia Civil assinou o núcleo bancário. Essa parte da quadrilha ficou responsável pela circulação do dinheiro extorquido de Kauet. “Em Goiânia, nós revisamos buscas na casa do núcleo bancário, que foi responsável por pagar a casa, receber o dinheiro e distribuir para os integrantes”, acrescentou.

Rodrigo Souza mencionou a complexidade do caso. “A dificuldade foi decorrente do primeiro ponto. A vítima era de uma cidade, dos autores de outras diferentes. A única vinculação com a Polícia Civil do Paraná foi o local do crime”, analisou o delegado.

O grupo vai responder por extorsão perdida pelo resultado morte, ajustado tendo em vista que Kauet foi coagido a realizar transferências bancárias e foi morto. Ele estava com mala e outros objetos pessoais, então eles responderam por roubo majorado. E vão responder também pela associação criminosa, que é uma associação de três ou mais pessoas para a prática de crimes.

“O Kauet pode ter sido a primeira vítima fatal, mas eles estavam acostumados a fazer esse tipo de extorsão. Inclusive, aqui em Belém, quando prendemos, tinha uma pessoa de Manaus que seria uma próxima vítima”, revelou o investigador.

O delegado aproveitou uma entrevista para se desculpar com a família, principalmente com o pai, do jovem potiguar. Segundo ele, foi preciso mentir em determinadas situações para garantir o sigilo das investigações.

“Eu peço desculpas por ter sido omitido e até, algumas vezes, ter mentido para ele quando ele me perguntou se eu tinha alguma novidade. Eu tinha, mas eu não podia falar. Ele foi a primeira pessoa que eu liguei para informar da prisão, às 5h40. Peço desculpas e fico feliz de dar esse retorno”, declarou.

Rodrigo Souza destacou ainda o apoio dado aos familiares durante a investigação. “Eu peço para a população confiar na polícia. Esse trabalho de solução do caso foi decorrente da confiança que a família teve na polícia”, encerrou.

Ó crime

Kauet foi encontrado morto no dia 7 de agosto, em uma casa alugada por aplicativo na cidade de Foz do Iguaçu. Ele tinha ido à fronteira do Brasil com o Paraguai para comprar celulares para revenda. Segundo a Polícia Civil, ele foi vítima de extorsão, que não roubou R$ 86 mil. Imagens divulgadas pela própria polícia mostram os últimos momentos de Kauet com vida.

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Policial

PM suspeito de tentar matar blogueiro em Caraúbas é preso em operação do MPRN e das Polícias Civil e Militar

Published

on

By

Foto: Reprodução

Uma operação conjunta do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e das Polícias Civil e Militar prendeu nesta terça-feira (7) um cabo da PM suspeito de ter tentado matar um blogueiro em Caraúbas, cidade da região Oeste potiguar. O PM é acusado de ter atirado contra João Marcolino Neto, crime cometido no dia 19 de maio passado, na zona urbana do município.

Além do mandado de prisão, a operação Reino da Dinamarca também cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do policial militar. O agente de segurança pública foi encaminhado para o quartel do Comando Geral da PM, em Natal, onde ficará preso aguardando nova decisão judicial.

O atentado aconteceu por volta das 10h30 do dia 19 de maio passado. João Marcolino estava em frente a uma escola conversando com amigos, quando percebeu a chegada de um carro. O blogueiro se refugiou dentro do carro dele, que foi alvejado. João Marcolino não foi atingido porque o veículo dele é blindado.

Logo após o crime, a Polícia Civil passou a investigar o atentado. O MPRN, através do laboratório de computação forense do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), auxiliou na produção de provas que demonstram o cometimento da tentativa de assassinato por parte do policial militar preso.

O MPRN e a Polícia Civil continuam investigando o caso para tentar descobrir o que motivou o PM a tentar tirar a vida do blogueiro e todas as demais circunstâncias.

O nome da Operação é uma referência a uma citação da literatura clássica, em Hamlet, obra de William Shakespeare.

Continue Reading

Policial

Chacina em festa infantil deixa três mortos na Grande Belo Horizonte

Published

on

By

Um tiroteio em uma festa infantil deixou três pessoas mortas e outras três feridas na noite da última quinta-feira (23) em Ribeirão das Neves (MG), na região metropolitana de Belo Horizonte. Entre as vítimas da chacina estavam o aniversariante, de 9 anos, e o pai dele, de 26. A outra criança morta tinha 11 anos.

Uma adolescente de 13 anos e duas mulheres, de 19 e 41 anos, foram feridas e levadas a um hospital da região. Segundo a Polícia Militar, a família das vítimas informou que o homem assassinado tinha envolvimento com tráfico de drogas e recebia ameaças de morte dos traficantes da região.

A mãe da aniversariante disse à PM que um dos homens entrou no local quando a festa já estava no fim e começou a atirar. A mulher foi em direção ao atirador e eles entraram em luta corporal, no momento em que outro indivíduo chegou e fez mais disparos.

Os criminosos fugiram do local em seguida. Um deles, um homem de 23 anos, foi localizado em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no município de vizinho de Contagem com ferimentos por arma de fogo e foi autuado em flagrante por triplo homicídio qualificado. O outro suspeito foi identificado, mas ainda não foi preso.

Não há informação sobre o estado de saúde dos sobreviventes.

Continue Reading

Policial

EUA aprovam possível venda de helicópteros Black Hawk ao Brasil por R$ 4,9 bilhões, diz Pentágono

Published

on

By

O Departamento de Estado norte-americano aprovou uma possível venda de helicópteros Black Hawk e equipamentos relacionados ao Brasil por um valor estimado de US$ 950 milhões (R$ 4,9 bilhões), informou o Pentágono nesta sexta-feira (24). A informação é da agência de notícias Reuters.

Os principais fornecedores seriam a Lockheed Martin e a Sikorsky, informou o Pentágono.

A Força Aérea Brasileira (FAB) já tem helicópteros desse modelo. Nas enchentes no Rio Grande do Sul, por exemplo, um Black Hawk foi usado em uma missão de substituição de gerador no município de Cachoeira do Sul, e também foi usado em missões de resgate na região da cidade de Agudos.

Em abril, um Black Hawk foi usado em uma operação para destruir motores de garimpeiros que estavam na Terra Indígena Yanomami.

Esse é o helicóptero aparece no filme “Falcão Negro em Perigo”, de 2001 —o nome em inglês é “Black Hawk Down”, ou “Black Hawk derrubado”.

Segundo a página do fabricante, a aeronave tem diversos propósitos e é usada pelas forças armadas dos EUA e de outros 34 países

Há mais de 4.000 Black Hawks, e a maioria (2.135) são do Exército dos EUA.

A empresa também afirma que o helicóptero é usado para entrar e sair de zonas de combate, para levar tropas ou retirá-las de um local e atuar como bombeiro aéreo e patrulheiro de fronteiras, entre outros usos.

Um novo modelo foi desenvolvido recentemente como um helicóptero armado para dar apoio a tropas no chão ou servir como escolta. É uma aeronave que pode voar mais alto do que as anteriores.

g1

Continue Reading

home