A licitação bilionária do Exército que se tornou alvo na crise do governo Lula com Israel

Foto: Nexter Caeser

A crise entre o governos do presidente Luiz Inácio Lula Silva e do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu em torno das ações de Israel em Gaza e das declarações do brasileiro sobre o Holocausto deve ter um novo capítulo envolvendo o Exército brasileiro. É que entre os principais concorrentes da licitação internacional da Força Terrestre para adquirir 36 viaturas blindadas de combate obuseiros de calibre 155 mm autopropulsados sobre rodas (VBCOAP-SR) está a empresa Elbit Systems, de Israel, e suas subsidiárias brasileiras, a Ares Aeroespacial e Defesa e AEL Sistemas.

Trata-se de um negócio estimado em R$ 1 bilhão, para equipar as unidades de artilharia divisionária cujo resultado deve ser anunciado em 2 de abril. A empresa israelense se habilitou no Comando Logístico do Exército/Diretoria de Materiais (Colog/DMAT) ao lado de outras 18 de países como China, França, Eslováquia e Sérvia. Seu produto, o Atmos 2000 é um dos mais fortes concorrentes em razão dos requisitos operacionais absolutos (ROA) e desejáveis (ROD) publicados no Boletim do Exército de 28 de julho de 2023 – o anexo 3 do edital feito pelo Colog traz 40 ROAs e 23 RODs.

Além do Atmos 200, o francês KNDS Caesar também está no páreo. Trata-se de dois armamentos presentes no teatro de operações europeu e fabricados por aliados tradicionais. Em 2023, a Dinamarca enviou, por exemplo, 19 Caesars de 155 mm à Ucrânia e comprou 19 Atmos de igual calibre por US$ 117 milhões (cerca de R$ 570 milhões) a fim de repor o equipamento em seu Exército.

O Estado-Maior do Exército pretendeu desde o início que os fatores geopolíticos ficassem de fora do processo de decisão. Ou seja, o concorrente que apresentasse a melhor proposta, levaria o contrato, não importando se fosse chinês, israelense ou francês. Isso porque, já no ano passado a compra dos obuseiros autopropulsados havia se transformado em um terreno de disputa entre a Norinco chinesa e fornecedores ocidentais, com a esquerda do PT defendendo o fim da “dependência americana” na área da Defesa.

Agora, a esquerda petista, que está em pé de guerra com o governo Netanyahu desde o começo da invasão de Gaza, começa a se articular para pressionar o governo Lula contra a possibilidade de a Força Terrestre comprar o equipamento israelense. Petistas históricos, como José Genoino, por exemplo, consideram que adquirir, neste momento, o produto da Elbit System seria financiar indiretamente o esforço de guerra de Israel. Ele alerta que isso traria um enorme desconforto, uma saia justa, para a base social do governo, que não entenderia a medida ainda mais diante do atual nível de confrontação com a administração Netanyahu.

Mais que isso, a esquerda do PT espera que o governo reexamine os acordos firmados na área militar e de segurança com Israel, inclusive as compras de armas leves para as polícias estaduais, em detrimento de fabricantes nacionais. “Ainda não chegamos nesse ponto. Mas é evidente que, se a crise continuar a escalar, ela pode levar à desclassificação da empresa israelense. Israel tem a perder. Não é bom para Israel continuar nisso. Se continuar o bate-boca, ficará difícil fazer a compra”, afirmou o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), que integra a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados.

A coluna apurou no comando do Exército que o resultado da licitação ainda está em aberto. Se a empresa israelense sair vencedora, não se sabe o que pode acontecer, se haverá ou não algum tipo de restrição. Não apenas do governo brasileiro, mas também do israelense. Em outubro de 2023, após o presidente colombiano Gustavo Petro fazer uma declaração parecida com a de Lula, Israel suspendeu a cooperação militar com o país sul-americano. Ou seja: a licitação do Exército pode se transformar em uma forma de se verificar até que ponto a revolta do gabinete Netanyahu vai além da lacração das redes sociais.

Para o Exército, o melhor seria que até abril esse episódio esteja superado. Além da compra dos 36 VBCOAP-SR, militares brasileiros alertam que há diversos equipamentos e sistemas de armas das Forças Armadas que, ou são israelenses, ou têm partes e conjuntos daquele país. Eles citam como exemplo as aeronaves Gripen e KC 390, da FAB, e os helicópteros Fennec, usados pelo Exército.

Estes são franceses, mas também contam com equipamentos israelenses. Há ainda outros sistemas de guerra eletrônica e de comando e controle com a mesma origem: exemplo disso são os mísseis Spyke, que o Exército adquiriu da israelense Rafael.

Leia mais

Estadão

Deixe um comentário