conecte-se conosco

HOME

Tribo indígena brasileira que recebeu sinal de internet da Starlink se vicia em pornô e deixa de caçarNenhum comentário | Deixe seu comentário.

Published

on

Foto: Victor Moriyama/The New York Times

Antes, a falta de acesso à internet era um problema para indígenas marubos, que vivem no Vale do Javari, oeste do estado do Amazonas. Mas agora o acesso à rede mundial tornou-se um problema ainda maior: seus membros estão viciados em pornografia e redes sociais.

Com povoações ao longo do rio Ituí, os marubos sempre tiveram dificuldade de acessar a internet, já que o local é bastante remoto e não recebe redes de fibra ótica.

Mas em 2022, a Starlink, empresa de Elon Musk, passou a fornecer sinal de internet para toda a região amazônica através de satélites que orbitam a Terra. Com isso, levaram acesso à rede mundial para um dos últimos lugares offline do planeta.

Quem são os marubos
Os marubos habitam o Vale do Javari, terra indígena que foi demarcada pelo governo federal em 2001. Com aproximadamente dois mil membros, eles sobrevivem com caça, pesca e agricultura.

O estilo de vida foi preservado por centenas de anos, já que vivem em uma área remota e tiveram pouco contato com estranhos. Algumas povoações podem levar até uma semana de viagem no interior da floresta amazônica para se chegar.

Eles falam um idioma próprio – a língua marubo – e praticam rituais religiosos com consumo de ayahuasca, uma planta que pode conduzir quem a consome a um estado alucinógeno.

Vício em pornografia
Desde que a Starlink chegou ao Brasil, em 2022, diversos locais remotos da Amazônia passaram a receber sinal de internet. Na região onde os marubos habitam, o sinal chegou apenas em abril deste ano.

Agora com internet, eles perceberam que poderiam chamar ajuda emergencial de maneira rápida, algo que antes levava dias. Ainda, descobriram que seria possível entrar em contato com os seus amigos e familiares instantaneamente através das redes sociais.

Mas o lado bom da internet também trouxe seus malefícios: ao descobrirem o fácil acesso a conteúdos pornográficos, eles também começaram a compartilhar imagens obscenas e vídeos explícitos nos chats em grupo.

Alfredo Marubo, um membro do grupo, revelou ao New York Times que essa súbita exposição à pornografia desencadeou comportamentos sexuais preocupante entre os jovens habitantes locais.

Enoque Marubo, uma das lideranças do grupo, contou que o cotidiano do local alterou drasticamente no último mês, fazendo que os membros não queiram mais trabalhar. “Mudou tanto a rotina que foi prejudicial. Na aldeia, se você não caça, pesca e planta, você não come”.

Outra liderança, TamaSay Marubo, relatou que a chegada da internet no local afetou principalmente os jovens: “Quando a internet chegou, todos ficaram felizes, mas agora as coisas pioraram. Os jovens ficaram preguiçosos. Estão aprendendo os costumes dos brancos”.

Além do vício em pornografia, os marubos também relatam que vários membros passam maior parte do dia em redes sociais, principalmente o Instagram.

Marubos não querem que internet seja tirada
Apesar das desvantagens que puderam ser observadas no primeiro mês de acesso à internet, muitos membros, incluindo lideranças, admitiram que agora não podem viver sem ela.

“Acho que a internet nos trará muito mais benefícios do que danos”, disse Enoque. “Por favor, não tire nossa internet”, completou TamaSay.

Com informações de ND+ e R7

Confira as últimas notícias e atualizações do Rio Grande do Norte no Blog Alex de Olho nas Notícias. Com sede em Carnaubais, Alex traz para você o melhor das notícias locais desde 2018. Nosso compromisso é com o jornalismo verdadeiro, ético e responsável. Além disso, nosso portal é interativo, dando voz aos leitores.”

Continue lendo
Anúncio
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

HOME

Caiu na NET: Pense num presente seu moço.

Published

on

Continue lendo

HOME

“Meu chão caiu”, diz pai de bebê que teve embalagem de bolo utilizada como máscara de oxigênio

Published

on

Gabriel Felipe da Silva, um bebê de apenas 3 meses, teve uma embalagem para bolo utilizada como máscara de oxigênio, no Hospital Municipal Aluízio Bezerra, localizado no município de Santa Cruz, na região Agreste do Rio Grande do Norte. O bebê deu entrada na unidade de saúde no sábado (8) com quadro de desconforto respiratório grave, além disso, apresentava sintomas de congestão nasal, febre, rinorreia, vômitos e diarreia. Na tarde desta terça-feira (11), o Hospital Infantil Varela Santiago, em Natal, informou que o bebê foi admitido pela equipe da UTI e está estabilizando.
O pai de Gabriel Felipe, Matheus Leopoldino, conversou com exclusividade com o TÁ NA HORA RN, da TV Ponta Negra, e explicou que o bebê recebeu atendimento por volta das 20h da noite do sábado, e encaminhado para a “sala vermelha”, que atende os serviços de emergência. “Quando a médica percebeu que ele estava piorando e que o oxigênio não estava servindo, ela adaptou, como todo mundo viu, uma tampa de embalagem de bolo. Então para mim, ali, quando eu vi, o meu chão caiu. Sinceramente, eu estava tentando ser forte pela minha esposa que já estava há dias sem dormir”, revelou pai.

“Não entendia porque aquilo estava acontecendo com o meu filho. Os hospitais negando ele”, lamentou Matheus Leopoldino.

Aliviado, Matheus agradeceu ao Hospital Infantil Varela Santiago por ter recebido Gabriel Felipe na unidade. “Eu sei que ali tem profissionais qualificados para cuidar dele. Sei que ali está bem cuidado”, afirmou

Ainda segundo o pai, Gabriel enfrenta vários problemas de saúde e necessita da utilização de uma bolsa de colonoscopia, tem hidrocefalia e alergia a proteína do leite. O leite para alimentar o pequeno Gabriel custa em torno de R$310 e a família necessita de ajuda, uma vez que apenas o pai mantém a casa financeiramente.

Você pode contribuir ajudando a família através do PIX: [email protected]

Continue lendo

HOME

Vídeo: Mulher é flagrada vestindo apenas lingerie em garupa de moto.

Published

on

Um vídeo que está circulando nas redes sociais mostra uma mulher vestindo apenas lingerie na garupa de uma moto. O caso ocorreu na cidade Ocidental, em Goiás.

O caso:

No vídeo, que foi gravado por um motorista e divulgado no Twitter, é possível ver a mulher de calcinha e sutiã.

Ela não estava usando o capacete, mas levava o acessório pendurado em um dos braços;

Vale informar que trafegar de moto sem capacete ou com vestimenta inadequada configura infração gravíssima, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro.

Em casos como esses, a penalidade para o condutor pode ser de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e uma multa no valor de R$ 293,47.

A legislação também prevê o recolhimento da moto e a suspensão do direito de dirigir do motorista.

Continue lendo

home